Te encontrarei em outra vida, quando seremos gatos.

Assustado com este pensamento
Embora nem sempre ele passe pela minha cabeça
Quando ele vem, não provoca arrepios
Ocasialmente, dentro do meu cérebro, ele grita…
Eu não te conheço mais
Eu realmente não conheço
Eu ouço risadas que não são nossas
Vozes sem o nosso conhecimento
Chocaram-se sem a nossa harmonia
O quão ferrado é isso?
Eu vejo pessoas que se movem como você
Uma expressão em um rosto estranho…
Eu vejo você em alguns lábios
Em um rápido movimento da sobrancelha
Mas os seus olhos, eles são insubstituíveis
E eu não vou mais olhar pra eles
É agora que eu respiro para não quebrar
uma rara conexão de pensamento entre nós, eu preciso parar
É aqui que eu tenho que esquecer de todos os momentos fugazes que eu disse a mim mesmo que ia lembrar para sempre
Próximo à sua rua
Praias estreladas, estrelas cadentes
Areia no meu cabelo, perfeitamente posicionadas
E sob a escuridão do céu
Estávamos quentes
Estávamos pegando fogo
Eu não te conheço mais
Eu realmente não conheço
Eu costumava achar que através das multidões
Nós nos encontraríamos
Que nós estaríamos cosmicamente em sincronia
Eu achei que seríamos Rei e Rainha
Realeza, Poderoso
Agora eu me encontro aqui
Nossa praia é quieta, a areia não é bem-vinda
Um mar frio e escuro apaga o nosso brilho
Você na próxima esquina, enviando arrepios na minha direção
Tão perto,  tão longe
Quanto será que a ironia pode machucar?
Todos esses rostos desconhecidos
Com algumas semelhanças patéticas de seus atributos
Eles não vão servir
Eu preciso desses olhos pra me derreter
Me manter, me moldar
Moldar de volta o meu sorriso
Você fica nostálgico
Pela magia dos nossos momentos?
E agora, você está feliz?
Você substituiu os meus olhos?
Eu desejo por momentos inesperados
Em que voarei por você através do destino
As palavras fluíram tão casualmente da sua boca
Enquanto me cortavam
Enquanto eu sentava lá e a encarava
Aqueles olhos insubstituíveis, esse pensamento tão assustador
Eu não entendi
Nenhum remorso da sua parte
“Sinto muito”
Eu costumava pensar
Que o mundo me traria de volta pra você
Pensei que éramos intocáveis
nos sonhos, voávamos alto como pipas
bonitos
flutuando nas nuvens
montando em um raio através da chuva
Eufóricos
Eu não te conheço mais
Eu realmente não conheço
Talvez por acaso, a sorte vai me encontrar de novo
Eu me acalmarei em braços temporários
Você vai devolver o meu sorriso durante algumas horas
E vamos bater papo
Rir das nossas piadas
Reacender os fogos-de-artifício entre nós, para que o mundo todo possa ver
Dançar com milhões de cores, vamos iluminar o céu
E nossos corações estarão quentes novamente
Mas até então
É hora de secar meus olhos
não acreditar em conto-de-fadas
colocar de lado as possibilidades de “felizes para sempre”
Sem nem mesmo perguntar porque
Eu estou misteriosamente isolado
Sob estrelas que caem.
Ponto final!
Traduzido livremente daqui.

Juju

A prima mais linda que tenho nessa vida escreveu para mim algo que me comoveu, de verdade. Pra deixar registrado aqui no blog, vou postar.
Obrigado, Ju! I love you.

Para: Celo

Às vezes, você acha que não vai aguentar.. às vezes, você tem certeza.
Às vezes, você acha que é o fim do mundo.. às vezes, você tem certeza.
Às vezes, você acha que é melhor morrer.. às vezes, você tem certeza.

Acontece que essa dor sempre passa.
Acontece que essa dúvida sempre passa.
Acontece que esse sentimento sempre passa.

O tempo cura.
O tempo acalenta.
O tempo nos transforma.
O tempo nos faz mais fortes.

Dê respeito a quem te dá respeito.
Dê valor a quem te dá valor.
Dê carinho a quem te dá carinho.
Dê vida a quem te dá vida…

Em todo caso, sentindo-se assim novamente, pode chamar.. porque aqui, sempre terá alguém para te ajudar a jogar fora o que não serve mais.. Ou, no mínimo, a te ajudar a comer uma pizza e tomar umas cervejas.

Te amo, Celo! Te espero aqui…

Como quem ouve uma sinfonia

De tanto querer (guardado em si)
Desatentou-se
Como um tolo menino atrapalhado
De tal desalinho
perdeu-se
E no seu breve pranto
fez do seu canto
o seu próprio silêncio.
Tantas perguntas ressurgiram
todas
já conhecidas
para roubar o sono.
No amanhecer, aquela velha trilha sonora
pra lembrar que a vida é mesmo assim
Dia e noite,
não e sim…

Teu corpo estranho

Seu corpo estranho
Estava junto ao meu
Paralizei-me
Sem o que fazer
Pois de tão estranha que és
Preferi esquecer.
De ti nada sei
Verdade seja dita
Por mais que me force
Tuas vontades incomuns
Seu jeito forçado
Seu sorriso fingido
Seu beijo vazio
Suas palavras enganadoras
Seu gosto por erros
Amargos até a alma…

Perdendo-se

Hora de dormir
mas eu esqueci
a minha identidade
em algum lugar.
Por um momento
fico sem sossegar
mas logo me conformo
e vou me deitar.
Amanhã me proponho
Reviver
Renovar
Recriar
Achar a resposta do problema
que só eu sei solucionar…

 

Na esperança de ficar

Embarquei
No barco das águas violentamente calmas
Eu
E mais um milhão de pessoas.
As poltronas
Espaçadas
Ninguém se conhece
Mas com algo em comum
A tristeza de quem foi deixado
A lágrima da solidão
Os acompanham lado-a-lado
De quem amou em vão.
Viagem torturante
Destino já conhecido
O que vem adiante
Já lhes é familiar.
O porto da calmaria
Do coração remendado
Da falta de emoção
Do olhar gelado…
Após longo tempo de estadia
Um milhão, em alegria
Este barco volta a atracar
Pra quem quiser se aventurar
Mal sabem
A passagem é de ida e volta…

The latest happenings – in a few words.

It feels so good to have you by my side
There is no denial
Life is simple, and I like the way we live it
And baby, there is no other way
Never thought I’d miss you this way
Maybe this isn’t going to last forever
But should we really worry about that?
What does the future holds?
Future’s maybe just an illusion
All we need to think about is who we are
In this moment.